terça-feira, 26 de julho de 2011

GRANDES CLÁSSICOS DOS QUADRINHOS MUNDIAIS - III


Hoje os “Grandes clássicos dos Quadrinhos Mundiais” nos tráz outro grande mestre com as sua obra imortal.
Alexander Gillespie Raymond – Alex Raymond nasceu em New Rochelle, New York, filho de um engenheiro. Embora tenha demonstrado um interesse precoce por desenho, ele teve seu primeiro emprego como atendente em Wall Street. Quando a crise econômica atingiu os EUA em 1929, ele se matriculou na Escola de Arte Grand Central em Nova York. Um ano mais tarde começou a trabalhar com Russ Westover, o criador de "Tilly the Toiler" e foi apresentado a King Features Syndicate.

“Tilly The Toiler” onde Raymond iniciou seus trabalhos nos quadrinhos


Pouco depois, ele se transferiu para trabalhar com Lyman Young ("Tim Tyler“), de 1930 a 1933. Em 1932 e 1933, trabalhou como ghost de Young nas tiras diárias e páginas de domingo do "Tim Tyler".

“Tim Tyler” (1930) título que Raymond trabalhou como ghost


 Neste mesmo período, foi assintente de Chic Young em "Blondie".No final de 1933,

Blondie onde Raymond trabalhou como assistente de Chic Yong


Raymond foi procurado pela King Features Syndicate para criar uma página de domingo, para competir com "Buck Rogers". Juntamente com o escritor Don Moore, Raymond criou os quadrinhos de ficção científica "Flash Gordon" e sua tira complementar, “Jungle Jim”, uma saga de aventuras situadas no Sudeste da Ásia.

Alex Raymond criou “Flash Gordon” para competir com Buck Rogers (1934)


Alex Raymond criou Jungle Jim para competir com Tarzan (1934)

 Além disso, Alex Raymond assinou contrato para desenhar "Secret  Agent  X9”
, uma tira diária escrita por Dashiell Hammett para o Jornal da noite. Todas as três criações ocorreram em janeiro de 1934.



Agente Secreto X9 (1934)


Enquanto trabalhava em sua série de quadrinhos, Raymond ocasionalmente produziu ilustrações para as revistas: Look, Collier e Cosmopolitan.



Raymond produziu ilustrações para as revistas: Look, Collier e Cosmopolitan

. Até o final de 1935  Alex Raymond parou com 'Secret Agent X9”, deixando para Charles Flanders, para passar mais tempo se dedicando as páginas de domingo.
Em particular, 'Flash Gordon' tornou-se mundialmente famosa. Em 1944, Raymond entrou para o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e serviu no Pacífico, enquanto seus quadrinhos foram continuados pelo seu assistente Austin Briggs.

Flash Gordon no Planeta Mongo

Depois de dar baixa dos fuzileiros  em 1946, Raymond criou "Rip Kirby", uma tira diária  polícial, que também fez um sucesso enorme.

“Rip Kirby” conhecido no Brasil com Nick Holmes  (1949)


Alex Raymond morreu no auge de sua fama, em 06 de setembro de 1956, após um acidente de carro onde também ficou ferido Stan Drake. A influência de Alex Raymond sobre outros cartunistas foi considerável durante sua vida, e não diminuiu após a sua morte. A tira de jornal 'Flash Gordon' foi continuada pelo artista Jim Keefe.





Tira de Flash Gordon continuada por Jim Keefe

Alex Raymond disse sobre sua arte em quadrinhos: "Eu decidi honestamente que a arte em quadrinhos é uma forma de arte em si mesma Ela reflete a vida e os tempos de forma mais precisa e realmente é mais artística do que ilustração de revista - uma vez que é totalmente criativo Um ilustrador trabalha com câmera e modelos;.. Um artista de quadrinhos começa com uma folha de papel branco e sonhos o seu próprio negócio - ele é dramaturgo, diretor, editor e artista ao mesmo tempo ".

Cena de “a dançarina” em Flash Gordon




Alex Raymond muitas vezes ilustrou seus próprios carros como a sua Mercedes SL300 em suas histórias em quadrinhos, como aqui a partir em julho de 1956, apenas dois meses antes de morrer em um acidente de carro.

Ilustração com a Mercedes SL300 de Alex Raymond

Galeria de artistas que desenharam Flash Gordon dos anos 30 até o ano 2000

Alex Raymond utilizando um modelo vivo em uma de suas ilustrações

Alex Raymond em sua prancheta de desenho


O Fantasma Brasil oferece para seus amigos e seguidores a primeira aventura de Flash Gordon quando Flash tem contato com o Planeta Mongo e seu ditador o Impiedoso Ming.
Para baixar é só clicar no link abaixo da capa e boa leitura.























2 comentários:

  1. Que espectáculo, amigo Sabino.
    A seguir ao nosso Fantasma e depois do Mandrake, o Flash Gordon é o meu herói favorito na banda-desenhada.
    Muito obrigado por colocá-lo no "Grandes Clássicos".
    Seria muito bom se pudesse apresentar mais números, de preferência a continuação deste primeiro.
    O Fantasma Brasil está a cada dia melhor.

    Bem haja Grande Sabino.

    Luis

    ResponderExcluir
  2. Olá Amigo Luis,
    Também sou grande fã de Flash Gordon, as aventuras dele são incriveis, muito bem escritas, cheias de ação, mal Flash saia de uma dificuldades e já entrava em outra.
    E as ilustrações de Rayumond incriveis, mostrando um grande conhecimento de anatômia.
    Obrigado por mais um comentário e fique de olho que muita coisa boa virá por ai.
    Grande Abraço
    Sabino

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...