sexta-feira, 10 de junho de 2011

CURIOSIDADES SOBRE O FANTASMA - VIII

Olá meus amigos, finalmente sexta-feira, fim de semana chegando, e o friozinho é bem convidativo para assistir um bom filme, uma pipoquinha; tanto no cinema ou mesmo em casa e curtir o fim de semana e o dia dos namorados.
Hoje trazemos mais um curiosidades para conhecermos um pouco mais do nosso grande herói, e seu grande criador Lee Falk.



Locais das Aventuras do Fantasma


Se voltarmos na história para o ano de 1936, na aventura “A Irmandade Singh (Brotherhood Singh)”, o local de operações do Fantasma é na ilha de Luntok Algures no arquipélago da Indonésia (então conhecido como Índias Orientais Holandesas). Na primeira menção Luntok estava ao largo da costa de Sumatra (12 de Junho 1936), mas alguns dias depois, o local é mudado para o largo da costa de Java (15 de junho de 1936). Talvez fosse uma ilha flutuante? Quem sabe afinal Luntok é um lugar mítico, mas há realmente uma aldeia chamada Muntok - na ilha de Bangka ao largo da costa de Sumatra. Outra citação nesta aventura é Krakatan, o esconderijo submarino da Irmandade Singh, provavelmente foi derivado do vulcão Krakatoa, que explodiu e ficou tristemente famoso em 1883. Krakatoa situa-se entre Sumatra e Java.

Na aventura “A Irmandade Singh”, o local inicial das operações do Fantasma é a região do Mar de Java




Ao longo dos próximos anos esta localização citada no Fantasma, criado por Lee Falk parecia quase ansiosa para ter o “Espírito que Anda” com base em algum lugar da Índia. Em sua segunda história o clássico de 1936-1937 “Os Piratas do Céu (Banda Sky)”, os nomes dos três aviões atacados eram: Clipper Índia, Bombaim e Calcutá.

Na aventura “Os Piratas do Céu”, a base de operações do Fantasma é a India


Na terceira história de Lee Falk “Os Caçadores de diamantes” a partir de 1937, a cidade mais próxima à Caverna da Caveira foi dado como Frasertown. Nos anos posteriores, o nome da cidade mudou para Morristown, Mowiton e, mais comumente, Mawitaan.



Mawitaan o coração moderno de Bangalla

O Fantasma fez pelo menos três viagens a Londres, ao longo dos anos. Sua primeira visita foi em 1937: “História de Tommy” (D4), seguido pela história Rex 1969, o herdeiro desaparecido (D106), e a história de 1974
‘A Maldição da Imagem Sagrada” (D124).
A primeira vez que o endereço postal do Fantasma foi publicado foi em 1945 na história “A Quadrilha Azul” (D23). Foi dado como Caixa Postal n° 14, Morristown.
O último endereço residencial na América do Norte citado por Diana foi de 7 Sasqua E. Norwich Road, EUA (D32). Não adinta o amigo leitor querer  fazer uma visita, pois este endereço não existe!

A Ilha do Éden foi exibida pela primeira vez na história: ”Lua de mel no Eden” (S55) em 1960. Pigmeus Bandar guardavam a ilha e uma pequena casa estava presente para a utilização de O Fantasma e seus convidados.

Ilha do Eden, onde animais de todas as espécies vivem em harmonia

Lee Falk, provavelmente, acidentalmente, localizou o paradeiro continental de Morristown e Bengali, em 1964 a história “Cotidiano do recife” (D88). Nessa história, Diana escreve para O Fantasma e endereça sua carta para: "Sr. Kit Walker, Box 7, Morristown, Bengali, África".

Localização de Bangalla no continente africano


A primeira menção do Bosque Sussurante foi em 1966 na história: “O Deus do mar” (D95).

O Bosque sussurrante onde o vento sopra sobre as árvores que parecem surrurrar o nome do Fantasma


Na metade da história “O diário de Witchman” de 1972 (D116), Lee Falk mudou o nome da cidade de Bengali para Bangalla. Bangalla tem sido muitas vezes Bengalla escrito, às vezes com ambas as grafias, e ainda na mesma história! Morristown foi alterado para Mowiton em 1971 (D113) e, em seguida, tornou-se Mawitaan em 1972 (D119).
Mapas mostrando a localização de Bengali ou Bangalla na África têm sido frequentemente muito vago e contraditório. Locais próximos Zanzibar, Etiópia, Quênia e Camarões têm sido indicados em mapas. Incrivelmente, não é mesmo certo se Bengali ou Bangalla fica na costa leste ou oeste da África!
O último mapa do Fantasma, o País a aparecer na obra de Lee Falk foi visto na história de Domingo 1998-1999 “O Mistério Floradon” (S149).

E por hoje é só, e não percam o nosso próximo “Curiosidades sobre o Fantasma”







4 comentários:

  1. Fantástico, este Curiosidades. No entanto, poderia ser super-hiper fabulástico, se o primeiro mapa, o de Bengali, fosse num tamanho maior. Seria possivel, douto mestre Sabino? É um assunto que me cativa, os mapas. Sem querer abusar, seria muito bom se houvesse possibilidades de consegui-lo. Desde já agradeço amigo Sabino.

    ResponderExcluir
  2. Quanto aos nomes e às localizações, é realmente uma pena as confusões que pululam nas obras do Fantasma, o que, de modo algum diminuem o seu valor. Possivelmente até o elevarão, pelas polémicas que originam. Penso que, nalguns casos, a não ser que se verifiquem nos originais, poderão ter a ver com as traduções. Mas, infelizmente, estas confusões acontecem mesmo, o que demonstra algum descuido, seja por parte do próprio Lee Falk, seja por parte de outros criadores das histórias. Mas isto não afectará minimamente o interesse de qualquer verdadeiro fã do Espirito-que-caminha.

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo Luis,
    Mais uma vez seu comentário foi de uma lucidez incrível com relação às confusões de localização,que servem para alimentar as polêmicas.
    Realmente é mesmo o caso de um certo descuido do próprio Lee Falk, que as vezes fazia confusão até em relação aos ancestrais nas histórias, mas como você bem colocou não diminue em nada o brilho da obra de Falk.
    Grande abraço e um ótimo fim de semana prá ti.
    Sabino

    ResponderExcluir
  4. Divulgo vcs no meu blog de quadrinhos:

    -> www.volcap.blogspot.com

    Teria como colocar um banner do meu no seu?

    No blog tem links pra 115 blogs de quadrinhos atuais, antigos e nacionais, lém de livros.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...